Total de visualizações de página

Pesquisar no blog

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Selecionado brasileiro de futebol e o complexo de pedigree nas Olimpíadas

Bom dia amigos e amigas!

Gostaria de compartilhar com vcs uma
crônica que eu escrevi para o blog do
NÚCLEO DE ESTUDOS DO FUTEBOL - UFPR.

Selecionado brasileiro de futebol e o complexo de pedigree nas Olimpíadas

Neymar na partida contra o Egito válida pela primeira rodada dos Jogos Olímpicos de Londres 2012


Na sociedade contemporânea, acreditem se quiserem, é bastante paradoxal retratar ou categorizar a performance do selecionado nacional de forma impetuosa e plástica, como em tempos anteriores. Vale ressaltar que segundo o ranking de seleções da FIFA, publicado no dia 6 de junho de 2012, o Brasil está na quinta colocação, atrás de: Espanha, Uruguai, Alemanha e Holanda. Outro ponto bastante importante para esta contextualização, é que houve um tempo em que perdíamos, entretanto profissionais midiáticos, como, por exemplo, Nelson Rodrigues retratava e considerava os brasileiros imbatíveis, seja em técnica, tática e agilidade mental. “O cronista acreditava que o problema consistia na falta de autoconfiança, na postura submissa que os brasileiros assumiam diante de uma nação estrangeira” (SANTOS, 2012, p. 100) e assim categorizou esse sentimento intrínseco e inerente dos jogadores futebolistas de complexo de vira-latas.
Atualmente, os jogadores brasileiros bastante eufóricos e cristalizados com a moeda, têm se esquecido de desempenhar os malabarismos corporais com a bola nos gramados. Bom, talvez não sejamos mais tão superiores assim, será? O fato é que ao analisar o “Top 10 das frustrações do futebol brasileiro nas Olimpíadas, no blog DiBico Futebol Clube” se percebe que mesmo em épocas de vitórias – posterior o Tetracampeonato – e de vacas magras – Frustração de 2006, os nossos atletas, pop-stars, celebridades internalizaram às avessas de Nelson Rodrigues, o “complexo de pedigree”.
Em 1996, em Atlanta tínhamos um verdadeiro esquadrão da bola com Dida no gol, Roberto Carlos na lateral, Rivaldo no meio campo e na linha de frente Bebeto e o então prodígio Ronaldo. E o resultado? Sucumbimos, perdendo de 4 tentos a 3 para a Nigéria. Aqui vale uma nota, na entrevista coletiva, o então técnico Zagallo expôs: “Não creio ser realidade essa derrota”, tamanho o favoritismo do Brasil. Em Sidney – 2000, o filme se repete: Vamderlei Luxemburgo, Lúcio, Geovane, Roger, o maestro Alex, o malabarista Ronaldinho Gaúcho protagonizaram um dos maiores vexames do selecionado: 2 tentos a 1 para Camarões. Por fim, terminamos em tango, e os hermanos fizeram Dunga, Hernanes, Diego, Thiago Neves, Ronaldinho Gaúcho e Alexandre Pato bailarem. Três tentos a zero para a Argentina, fora o show e a maestria de Riquelme, Mascherano, Tevez, Agüero e Messi.
Neste ano, depositamos a esperança na tranquilidade de Thiago Silva; na maleabilidade e no malabarismo corporal do pop star Neymar; na mestria, na tranquilidade e no “migué” do mundo animal, através de Pato e Ganso; na leveza e agilidade de Oscar; e por fim, no nosso super-herói e sua musculatura torneada, o grandiosíssimo e fenomenal Hulck. Será que dessa vez dá Mano Menezes? 

Att. Bruno José Gabriel

Um comentário:

  1. lucas francisco/ 1°C osorio16 de agosto de 2012 19:44

    vish professor acho q vamos continuar sonhando com a medalha de ouro nas olimpiadas

    ResponderExcluir